SDD#8: Son Swagga

A vibrante energia do novo jazz colocou as placas tectónicas a mexer. Um pouco por todo o mundo, dos Estados Unidos à Austrália, são várias as réplicas que acompanharam esse saudável tremor de terra, alcançando com semelhante força os países-baixos. Super-Sonic Family, a compilação editada no dia 16 de Dezembro de 2019, através da Super-Sonic Jazz Records (editora que pede emprestado o título de uma das grandes obras de Sun Ra), visa condensar os nomes emergentes da cena jazz holandesa ao longo de 13 temas onde o género basilar se mistura com outros universos musicais, do hip hop ao funk e do rock ao psicadelismo.

No passado dia 16 de Janeiro, a Ritmoterapia publicou um artigo sobre esta moderna família, dando a conhecer cada um dos seus elementos. Eis o que se escreveu sobre os Son Swagga, colectivo que encabeça o Suave Despertar Domingueiro de hoje:

Conduzidos pela luz da imaginação, os Son Swagga criam um reino musical de magia e fantasia. Este animal de nove cabeças conta a história de tribos combatentes, forças da natureza e feitiçaria cósmica. O imaginário de Felix Back, o líder do colectivo, tão depressa se centra no jazz espiritual e no funk como abraça o universo da música de videojogos. Secundado por uma concisa e energética secção rítmica e comandado por um poderoso naipe de metais, Son Swagga orquestra a chegada de uma nova era rítmica. Estrearam-se em 2017 com o álbum Fires of Quidel e lançaram, em Maio do ano passado, o segundo trabalho, intitulado Dark Magic, pela Super-Sonic Jazz Records

Neste vídeo é possível vê-los ao vivo numa sessão com a chancela da Super-Sonic Jazz, gravada em Setembro de 2019 mas publicada na semana passada. Os temas são “Wayra” e “Sage”.

20