SDD#9: Yelfris Valdés

A rubrica de hoje viaja novamente até ao Ronnie Scott’s Jazz Club, a icónica sala de espectáculos localizada no Soho, em Londres. Desta vez é o trompetista e compositor Yelfris Valdés que toma as rédeas de uma actuação de hora e meia que centra as sua energias em For The Ones…, trabalho lançado no ano passado que teve direito a crítica na Ritmoterapia.

Natural de Cuba, Valdés iniciou os estudos na música clássica com apenas oito anos e começou a tocar como músico profissional com 16. Aos 25, formou-se com a mais alta distinção no Colégio de Artes de Havana. A par disso, gravou, tocou e rodou o mundo com alguns dos mais importantes músicos cubanos: Omara Portuondo, Barbarito Torres, Guajiro Mirabal, Amadito Valdes, Roberto Fonseca e X Alfonso. Ainda na sua adolescência, integrou o lendário colectivo Sierra Maestra, responsável pela fundação dos Buena Vista Social Club.

Mudou-se para Londres em 2014 e posicionou-se rapidamente como um dos trompetistas mas requisitados da capital. A sua versatilidade e habilidade no campo da improvisação levaram-no a tocar com importantes estrelas a nível internacional, de Madonna aos The Clash e de Michael Kiwanuka ao pianista Chucho Valdés, tento também trabalhado com alguns dos mais sonantes nomes da nova cena jazz londrina, como Yussef Kamaal, Nubya Garcia e Moses Boyd. A este rol de colaborações juntam-se ainda: Kano MC, Yannick Noa, Quantic, Sugaray Rayford, OUM, Dayme Arocena, Gilles Peterson, Ariwo, Ana Tijoux, Charlie Hunter, Afrocubism e Cubafrobeat.

Em 2019, editou For The Ones…, um álbum que junta electrónica, cantos espirituais e ritmo latinos ao longo de 38 férteis minutos. Esta que foi a sua estreia em formato de longa-duração, sucede-se ao EP The World of Eshu Dina, de 2018, um tributo à religião Ioruba. O interligar das suas raízes afro-cubanas ao Planeta Terra e aos deuses Orixás tem sido uma constante na sua caminhada individual.

Para este concerto, que aconteceu no passado dia 6 de Fevereiro, o músico cubano teve a ajuda de Al Macsween (teclas), Marcus Mcneish (baixo), Ayoze Alejandro (betaria) e Sylvain Couesmes (maquinaria).

15