“So We Won’t Forget”, dos Khruangbin: o poder da memória

Primeiro, “Time (You And I)”, uma canção com sublinhada vibração funk e uma assumida missão de colocar o esqueleto em movimento; Agora, “So We Won’t Forget”, menos agitada e baseada na preservação das memórias positivas para que estas não escapem. Aos poucos, os Khruangbin vão revelando algumas fatias do seu próximo trabalho que chegará no dia 26 de Junho. Mordechai, com edição pela Dead Oceans, será o sucessor do longa-duração Con Todo El Mundo (complementado pela sua releitura dub, Hasta El Cielo) e do EP Texas Sun que dividem com Leon Bridges.

“A memória é muito poderosa”, comenta o colectivo sobre o novo single. “Agora, mais do que nunca, é importante dizer às pessoas importantes na nossa vida que as amamos, para que elas não se esqueçam”. O vídeo que acompanha a música, realizado por Scott Dungate, conta-nos a história de um homem que chora a morte da sua filha construindo um santuário de peluches. As constantes viagens ao santuário atraem a ira dos condutores locais, bem como de um polícia, mas a vontade de reencontrar quem perdeu acaba por falar mais alto.

O tema inicia-se com a batida seca e ritmada de Donald Johnson, uma imagem de marca do colectivo, à qual se junta o baixo carregado de groove de Laura Lee Ochoa. Mais à frente entra a guitarra de Mark Speer com uma aura muito particular, inserida algures entre as balizas da saudade e da esperança. A voz de Ochoa assume o papel principal ao lado do instrumento de seis cordas e desenham uma melodia que desemboca no refrão “call me what you want/call me what you need/words don’t have to say/ keep it to myself“.

Ao contrário de Con Todo El Mundo, maioritariamente instrumental, com a voz a assumir um papel secundário no argumento, Mordechai parece prometer um maior destaque à componente vocal, como o exemplificam os novos singles. Em comunicado de imprensa, a banda adianta ainda que o novo disco referencia músicas do Paquistão, Coreia e África Ocidental, além de incorporar cantos indianos e guitarras sincopadas congolesas.

22