O fumo vermelho na janela de Kamaal Williams estende a passadeira a novo álbum. Habemus regresso

Há uma série de dias que Kamaal Williams recorre às redes sociais para anunciar a chegada de um novo álbum, com várias publicações em fundo vermelho que traçam uma espécie de tríptico: começa com a imagem de um ninja de rosto tapado, que se pensa ser o próprio teclista e produtor, passa pelo atear de um cigarro de natureza duvidosa e acaba numa densa nuvem de fumo.

Wu Hen tem saída marcada para dia 24 de Julho. O título do novo trabalho, que sucede a The Return (2018), joga com o seu alter ego enquanto produtor, Henry Wu. Existe, além disso, uma evocação de um imaginário oriental que vai desde a personagem japonesa citada nas publicações à capa do álbum onde surgem caracteres Han – a ligação de Kamaal Williams com a cultura asiática acontecera em episódios anteriores, como no tema “3 Yourself”, presente no disco Live at Dekmantel Festival, cujo vídeo compilava várias imagens captadas no auge dos protestos de Hong Kong no final de 2019. Estará o título ou o conteúdo relacionado com Wuhan, a cidade chinesa onde surgiu o primeiro foco do novo coronavírus?

Do álbum conhecem-se, para já, dois temas: “One More Time” e “1989*”. O primeiro arranca ao som de um sintetizador e emparelha-se com uma bateria quebrada ainda antes da chegada do baixo, que dita uma boa parte do groove e que serve de sustento, lá mais à frente, a um conjunto de decididos acordes. O segundo, que se interliga com o primeiro, acalma os BPMs e deixa a secção de metais, que já havia dado um ar de sua graça em “One More Time”, exprimir-se livremente.

Wu Hen conta com as participações de Miguel Atwood-Ferguson, Lauren Faith e Mach-Hommy.

9