Na passada segunda-feira, Sampa The Great subiu ao palco digital do festival Africadelic para uma actuação inserida no Dia de África,  comemoração anual da fundação da Organização da Unidade Africana (OUA), hoje conhecida como União Africana. Perante um belíssimo e idílico cenário de plantas e secundada nos coros pela sua irmã Mwanjé Tembo e Taudra, Sampa Tembo serviu, sobre base de teclas pré-gravadas por David Taafua, os temas “Freedom”, “Mwana” e “Leading Us Home”, retirados do seu álbum de estreia The Return.

“Este é um momento vulnerável para todas as pessoas”, começa por dizer a artista australiana nascida na Zâmbia e criada no Botswana. “Enquanto nos encontramos neste momento de vulnerabilidade e ansiedade, só desejamos partilhar convosco a nossa alma e coração, e esperamos com isso dar-vos algum tipo de conforto”, acrescenta antes de se atirar a uma doce e intensa versão de “Freedom”.

A performance foi transmitida na página de Instagram do Paradiso Amsterdam, que albergou também concertos de Femi Kuti, Cacique’97, Karun, Akwasi, Batida, Yuri da Cunha, Sara Tavares, Rincon Sapiência, Mulatu Astatke e Pat Thomas & Kwashibu Area Band, entre muitos outros.