De uma banda de hardcore para o centro da pista de dança. O álbum de estreia de Ela Minus promete agitar corpo e mente

Começou por ser baterista de uma banda de hardcore, com apenas 12 anos, e manteve-se nos comandos das baquetas durante uma década. Ela Minus, que agora abraça a sua caminhada a solo nos meandros da música electrónica, transporta no seu ADN uma sublinhada vontade de fazer o corpo mexer – mas não só. acts of rebellion, o álbum de estreia que se prepara para editar no próximo dia 23 de Outubro, através da Domino, promete ser um “manifesto de simplicidade, uma chamada para a luta, para a vida, para estar presente”, informa o comunicado de imprensa. “É uma colecção sobre o pessoal e o político que abraça a beleza dos pequenos actos de revolução na nossas lutas do quotidiano”.

Nascida na Colômbia, Minus mudou-se para os Estados Unidos para estudar na Berklee College of Music, onde se graduou em bateria jazz e design de sintetizadores. Enquanto aprofundava o seu conhecimento na maquinaria, descobriu uma conexão entre a liberdade da cena DIY (Do It Yourself) em que cresceu e a cultura de clubbing – no vídeo do seu mais recente single, “el cielo no es de nadie”, é possível vê-la a alternar entre uma imponente parafernália de máquinas e a pista de uma discoteca, ao mesmo tempo que dança e canta unicamente pontuada pela luz de um nervoso strob. “Eu identifico-me profundamente com a cultura de clubbing e quero fazer música para dançar”, partilha no mesmo comunicado. “Também quero fazer músicas numa perspectiva mais tradicional, com melodias, letras e canto. Quero fazer músicas que fiquem com as pessoas durante anos”.

No seu processo de composição, gravação e mesmo nas performances ao vivo, Ela Minus utiliza apenas hardware, algo que vai não só ao encontro da sua aprendizagem na Berklee College of Music mas também de todo o seu background nos tempos em que era baterista de uma banda. “el cielo no es de nadie” sucede-se a “megapunk” e “they told us it was hard, but they were wrong” nas amostras de acts of rebellion. 

17